Alberto Martins. Lascas

5 nov 2016 — 14 jan 2017 na Galeria Raquel Arnaud em Sao Paulo, Brasil

22 NOVEMBRO 2016
Alberto Martins, Untitled from the series "Books", 2016. Courtesy of Galeria Raquel Arnaud
Alberto Martins, Untitled from the series "Books", 2016. Courtesy of Galeria Raquel Arnaud

No segundo piso da galeria o público poderá conferir a exposição Lascas, de Alberto Martins. A mostra conta com cerca de 15 esculturas inéditas produzidas a partir de chapas de metal pintadas de preto ou em estado natural e pranchas de madeiras com sulcos variados, que aprofundam as investigações do artista no que diz respeito à gráfica, o relevo, a escultura e a poesia.

O emprego que o artista realiza de grandes massas pretas, compactas ou riscadas de inscrições, e planos de ferrugem induzem o olhar a uma experiência tátil multidimensional, na qual os espaços ora avançam, ora recuam, dentro de uma temporalidade muito singular.

Abertas a várias leituras, essas peças tanto podem evocar os grandes cascos de navios — que já foram tema de gravuras e poemas do artista (por exemplo, no livro “Cais”, de 2002) — como sua relação com a escrita, sua formação primeira como gravador (pelo uso intenso, quase exclusivo, do preto) e, ainda, sua experiência enquanto editor, particularmente nas peças que o autor chama, informalmente, de “livros”.

Completa a exposição o lançamento do impresso Lascas que reúne 15 imagens e poemas de Alberto Martins, sendo o primeiro precisamente "Diário de uma exposição", que diz: "Atravessar a cidade em busca de uma lata de tinta, ou de um prego, faz parte do trabalho. Como isso acontece é algo que a obra, não o artista, tem que responder. ”

Artista plástico e escritor, formou-se em Letras pela Universidade de São Paulo em 1981. No mesmo ano iniciou sua prática de gravura com Evandro Carlos Jardim, na Escola de Comunicações e Artes da USP. Em 1985 estudou gravura no Pratt Graphics Center, em Nova York, e desde seu retorno ao Brasil participa de várias exposições no país e no exterior. Em 2007, a Estação Pinacoteca, em São Paulo, apresentou a retrospectiva "Em trânsito", reunindo gravuras e esculturas produzidas desde 1987. Em 2010, realizou a exposição "Cor, Corte, Ferrugem", sua primeira individual no circuito de galerias na Galeria Raquel Arnaud, que o representa desde 2007.

Em 2014, teve obras expostas na mostra Contemporary Brazilian Printmaking, no International Print Center, de Nova York.