O valor da experiência

O caminho para o sucesso

12 AGOSTO 2016,
Construir sobre bases sólidas
Construir sobre bases sólidas

Sabe aquele momento em que pensa "Eu nunca consigo..." ou "Sou péssimo a..."? Pensamento esse que rapidamente passa a "Eu nunca vou conseguir..." e "Nem vale a pena tentar". Esses pensamentos são baseados na sua experiência, não são? Começou a tentar fazer algo e não correu como esperava, então tentou outra e outra vez e o resultado foi sempre mais ou menos o mesmo, por isso concluiu que aquilo não era para si. Não tem jeito, não nasceu para isso. Não é capaz e não é possível, pelo menos para si.

Uma conclusão perfeitamente válida, dada a sua experiência de vida. E sempre nos disseram para aprendermos com a experiência, não foi? É assim que o próprio método científico funciona. Coloca uma hipótese, testa e aprende com o resultado da experiência.

O que se esqueceram de lhe dizer é que se há algo realmente impossível é provar uma negativa. O que é que isso quer dizer? Significa que não se pode provar que alguma coisa é impossível. Apenas se pode concluir que não é possível AINDA. Porque ainda ninguém fez. O mesmo se passa com o que quer que seja que concluiu que não é capaz de fazer. A sua experiência diz-lhe que não consegue, mas na realidade ela apenas lhe diz que não conseguiu AINDA.

Se é algo que realmente deseja conseguir, continue a tentar. Como disse Woody Allen:

"80% do sucesso é aparecer"

O realizador referia-se ao facto dos aspirantes a escritores que realmente escreveram um livro ou um argumento, terem muito mais hipóteses de sucesso, do que a grande maioria que lhe dizem que o seu sonho é escrever e desistem à primeira dificuldade, sem nunca escreveram nada.

O que realmente distingue as pessoas bem sucedidas das outras é o facto de as primeiras não desistirem até conseguirem o que querem. Não se deixarem derrotar por todas as vezes em que as coisas não correram como esperavam, nem se deixarem paralisar pelo medo de falhar, estando dispostas a tentar as vezes que forem precisas.

Em junho assisti à Think Conference, uma conferência sobre marketing digital, onde estiveram presentes fundadores e representantes de empresas de renome nacional e internacional, como é o caso da Google, Paypal, Farfetch, La Redoute e do "Tubarão" Tim Vieira.

Também aqui, uma das principais ideias transmitidas é a da perseverança. Não uma perseverança cega, um não desistir orgulhoso, mesmo que estejamos a falhar redondamente, mas uma luta inteligente por alcançar os objetivos. Com a ideia de que é melhor falhar depressa e aprender para nos reerguermos o mais depressa possível e continuarmos a tentar, sempre. Como disse, Tim Vieira:

"Só perdemos se não nos levantarmos"

O mesmo acontece na vida quotidiana, é preciso lutar para conseguir o que se quer, porém, só sabendo exatamente o que queremos e quando o queremos alcançar, podemos saber se nos estamos a encaminhar nesse sentido ou não. Ao vermos a nossa vida como a nossa empresa pessoal, uma empresa que queremos próspera e feliz, ganhamos uma estrutura para nos autoavaliar. Há objetivos e prazos para definir, há objetivos intermédios para alcançar, há parcerias para fazer com as pessoas que são importantes para nós e, acima de tudo, há avaliações, para sabermos se o que estamos a fazer está a resultar ou se é melhor experimentar de outra maneira.

Como é que a sua vida está a resultar para si? Está a ser o que esperava? Está no caminho para obter o que deseja?

Se a resposta a alguma desta questões for negativa, não se preocupe. A sua empresa pessoal não vai à falência a menos que desista dela e se torne uma pessoa triste e amargurada com a vida. E mesmo que sinta que já desistiu ou que já não há volta a dar e não tem forças para lutar, lembre-se que basta voltar a levantar-se e tentar mais uma vez. Só precisa de um "sim" para conseguir o que quer.

Analise as suas experiências anteriores, aquelas que considera como fracassos e veja o que pode aprender com elas. O que faltou para que corresse melhor? O que pode fazer de diferente desta vez? Os fracassos só o são se não aprender nada com eles. Enquanto se mantiver em movimento e se atrever a tentar, aprende. Quanto mais não seja, aprende que não é por ali, ou que até pode ser por lá, mas precisa de fazer alguma coisa diferente para que resulte. E basta que acerte uma vez. O que vai fazer de diferente hoje?