O Bom, o Mau ou o Vilão

De que forma o turismo está a transformar a nossa realidade urbana

8 JANEIRO 2017,
Com o turismo de massa, a Baixa de Lisboa enfrentou um influxo de hotéis de baixo custo e lojas de souvenires que vendem produtos baratos de estilo português feitos na China
Com o turismo de massa, a Baixa de Lisboa enfrentou um influxo de hotéis de baixo custo e lojas de souvenires que vendem produtos baratos de estilo português feitos na China

Na sequência da perda da industria de manufatura em muitas áreas industriais nos anos 70 e 80, o turismo tem tido um papel fundamental na política de regeneração urbana e de frente ribeirinha devido à sua capacidade de gerar benefícios económicos substanciais para as comunidades. Isto, juntamente com uma série de outros fatores, criou um fluxo de turismo de massa para certas cidades, em que Lisboa está incluída. O turismo de massa criou uma realidade paralela nas cidades e desenvolveu uma relação muito complexa com as formas urbanas das cidades. Mas antes que possamos discutir essas relações, é necessário esclarecer os conceitos de turismo e urbanidade.

Ser turista é uma das características da experiência moderna. É a sociedade moderna que proporciona todos os fatores não só para que as pessoas viajem, como também a criação de destinos turísticos e serviços. Devido aos avanços tecnológicos, transporte de massa, a possibilidade de tempo de lazer e os valores das rendas disponíveis ter aumentado, as pessoas têm agora os meios e a oportunidade de viajar e explorar lugares diferentes. Além disso, são poucos os lugares no mundo que hoje não se tornaram destinos turísticos ou com uma estreita proximidade com eles e, o número total de pessoas que participam no turismo continua a crescer. Assim, a procura por viagens aumentou e a oferta de destinos turísticos e atrações também se distendeu para corresponder à exigência. Nos últimos trinta anos, houve uma mudança fundamental nos hábitos de consumo, incluindo no consumo de férias. Já não procuramos o pacote de férias no hotel de praia, mas sim, formas personalizadas de turismo, por exemplo, turismo urbano, turismo ecológico e turismo patrimonial. Consequentemente, surgiram novos destinos turísticos como destinos urbanos, sendo Lisboa um deles.

A globalização pode ser caracterizada como o aumento de conexões (sociais, culturais e econômicas) que estão a ocorrer ao redor do mundo. O que está a acontecer na sociedade de hoje é uma onda de transformação cultural associada a um processo de globalização cultural. À medida que produtos culturais como o turismo são reunidos de todo o mundo, são transformados em comodidades para um novo mercado global. Assim, à medida que as diferentes culturas são colocadas em contato direto, novas geografias são formadas com ênfase no renascimento do conceito de localidade. Por exemplo, os lugares tentam revitalizar o local enquanto as culturas locais são ofuscadas por uma nova cultura global. Indiscutivelmente , esta nova estética espacial reflete a cultura pós-moderna com ênfase nas culturas locais e vernaculares, enquanto a sua orientação global tende a produzir uma nova certeza em que o carácter distintivo é gravado para alcançar padrões universalmente aceites da economia cultural.

À medida que as relações internacionais se multiplicam e as localidades tornam-se semelhantes entre si, essa perda encontra sua expressão cultural no tema da nostalgia. Um movimento em direção às raízes e uma crescente apreciação da tradição são aspetos relacionados ao ambiente total de cada um. Entre o local e o global. Tais tendências podem ser vistas como manifestações do pós-modernismo .

Durante a era pós-moderna, em áreas onde as indústrias diminuíram e a desindustrialização ocorreu, como é o caso de Lisboa, os sítios desolados foram reconstruídos e reintegrados com a injeção de serviços e atividades baseadas no consumo. Estes novos locais servem como centros turísticos, onde o património e outras formas de turismo têm sido utilizados para transformar a paisagem. Espaços como esses adotam uma orientação pós-moderna e atraem as escolhas de estilo de vida e a ética de consumo da nova classe média. A criação da nova classe média é responsável pela gentrificação destas áreas e está ligada ao crescimento de tais desenvolvimentos.

O fenômeno do redesenvolvimento da frente ribeirinha é um exemplo altamente visível de reestruturação urbana contemporânea. Em muitas cidades, continuam a ser feitos esforços para renovar os pontos fortes das frentes ribeirinhas com projetos de renovação em grande escala. Essas mudanças alteram dramaticamente o caráter e a funções originais da área portuária de um local de produção para uma paisagem cultural mais diretamente associada às práticas de consumo. Talvez uma das características mais marcantes da regeneração das zonas portuárias em cidades, seja a aparência e atracão pós-modernas distintas.

De uma maneira geral, as áreas urbanas de todos os tipos atuam como destinos turísticos e essas áreas têm potencial para atrair turistas nacionais e internacionais. O turismo nesses ambientes é um fenômeno diverso. Primeiramente, as áreas urbanas são heterogêneas por natureza porque são distinguidas pelo tamanho, pela posição, pela função e pela idade. Em segundo lugar, eles são multifuncionais, pois oferecem uma variedade de instalações. Em terceiro lugar, as instalações são consumidas por um conjunto diversificado de usuários, por exemplo, turistas e residentes. As cidades oferecem uma grande variedade de oportunidades de consumo para os utilizadores. Estes e as atividades necessárias para responder às suas necessidades, definem uma escala de tipos diferentes da cidade que podem existir dentro de uma mesmas área urbana, por exemplo a cidade shopping e a cidade histórica. É difícil definir o turismo urbano devido à sua diversidade, no entanto, o fenómeno do turismo urbano tem-se centrado principalmente nas suas características de procura e oferta, que lhe permite que seja diferenciado de outros tipos de turismo.

Ao longo das últimas três décadas o turismo teve um papel importante na regeneração das zonas urbanas de Lisboa pois contribuiu para a revitalização urbana com a recuperação de edifícios antigos e com o reforço da economia do país.

O centro histórico de Lisboa teve um desenvolvimento negativo nas condições físicas, sociais e económicas ao longo do século XX. O problema do declínio urbano está relacionado com um conjunto de fatores como a expansão suburbana e o congelamento das rendas (privando os proprietários do incentivo para manter as propriedades e reabilitar a habitação). O processo de declínio nos centros históricos da cidade tem sido inseparável do declínio da população residente.

O dinheiro que os turistas gastam, ajuda a economia de Portugal, e o governo anunciou a inundação de turistas como um sinal de que Lisboa é o lugar certo para visitar. Para alguns residentes, no entanto, tais fluxos anunciam o risco de desalojar os habitantes locais e as lojas tradicionais dos bairros antigos da cidade, para se transformarem em pousadas e lojas que vendem bugigangas baratas e imitações de artesanato.

As mudanças são mais evidentes na zona da Baixa, uma rede de ruas de calçada preta e branca entre duas colinas de frente para o rio Tejo. Uma área antes dominada por boutiques locais enfrentou um influxo de hotéis de baixo custo, restaurantes com menus em vários idiomas e lojas de souvenires que vendem produtos baratos de estilo português feitos na China. Este novo centro da cidade veio como uma resposta aos problemas da degradação da cidade, à perda da população residente, e ao envelhecimento dos edifícios desocupados que a cidade estava a sofrer.

Lisboa, tal como muitas outras cidades transformadas pela massa do turismo, tem agora uma realidade paralela, onde os habitantes usufruem de uma cidade enquanto que aos turistas lhes é apresentada outra cidade para desfrutarem.

O que irá acontecer à cidade quando tudo se transformar em lojas direcionadas ao turismo? Os turistas não conhecerão mais a cidade de Lisboa como verdadeiramente é, mas sim como a cidade que lhes querem vender.